02 maio, 2019

O valor da liberdade de imprensa


É celebrado no dia 3 de maio o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, que fora proclamada na Assembleia Geral da ONU, em 1993. Foi uma resposta ao apelo dos jornalistas africanos que, em 1991, elaboraram a Declaração de Windhoek sobre o pluralismo e a independência da mídia. A data serve para reafirmar os princípios fundamentais da liberdade de imprensa, para avaliá-la em todo o mundo, para defender a mídia de ataques contra a sua independência, e para prestar tributo aos jornalistas que perderam a vida no exercício de sua profissão.

Guillermo Cano Isaza, jornalista colombiano que fora assassinado em dezembro de 1986 é um dos profissionais constantemente lembrados, homenageado ao ter um troféu que leva seu nome, o Prêmio Mundial de Liberdade de Imprensa UNESCO-Guillermo Cano. Ele foi editor do jornal El Espectador e responsável direto por denunciar o tráfico de drogas no seu país e toda a máfia chefiada por Pablo Escobar. Sua morte ocorreu na entrada do escritório do jornal onde trabalhava e o edifício foi destruído em um ataque a bomba 3 anos depois.

Os responsáveis diretos não foram encontrados até hoje e o caso segue em aberto. Muitos dos investigadores foram ameaçados e subornados e os que não aceitavam o suborno acabaram assassinados.

O compromisso de longa data de Guillermo Cano com a diversidade de opiniões e as circunstâncias de sua morte simbolizam o preço pago pelos jornalistas em todo o mundo pelo exercício de sua profissão. Os jornalistas são presos e maltratados todos os dias e o fato de esses crimes, na maioria deles, ficarem impunes, é ainda mais alarmante.

29 abril, 2019

História do Dia do Trabalho/Trabalhador


No dia 1º de maio de 1886, em Chicago-EUA, milhares de trabalhadores foram as ruas exigir melhorias nas condições de trabalho. Eles estavam com uma jornada diária de 13 horas, então pediam que isso fosse alterado para 8 horas. No mesmo dia se instalou uma greve geral em todo os Estados Unidos.

No dia 3 de maio aconteceu mais uma greve e nessa, infelizmente, houve casos de violência. Em um confronto com a polícia durante o dia 3 e 4 de maio deixou o terrível saldo de sete policiais e doze manifestantes mortos, além de outros vários feridos.

Em 20 de junho de 1889, na França, aconteceu a Segunda Internacional Socialista. Nela ficou instituído o 1º de maio como Dia Internacional dos Trabalhadores, em homenagem aos mortos daquele conflito. Aqui no Brasil a data só foi oficializado em 1924, após decreto do então presidente Arthur da Silva Bernardes.

Fatos importantes relacionados ao 1º de maio no Brasil:

- Em 1º de maio de 1940, o presidente Getúlio Vargas instituiu o salário mínimo. Este deveria suprir as necessidades básicas de uma família (moradia, alimentação, saúde, vestuário, educação e lazer).

- Em 1º de maio de 1941 foi criada a Justiça do Trabalho, destinada a resolver questões judiciais relacionadas, especificamente, as relações de trabalho e aos direitos dos trabalhadores.

25 abril, 2019

Entenda o que são os diferentes gêneros


Agênero

É aquele que tem identidade de gênero neutra, ou seja, não têm um gênero.

Cisgênero

É o indivíduo que se apresenta ao mundo e se identifica com o seu gênero biológico. Por exemplo, se foi considerada do sexo feminino ao nascer, usa nome feminino e se identifica como uma pessoa deste gênero, esta é uma mulher "cis".

Gênero fluido

Há pessoas que se identificam com aspectos sociais de mais de um gênero em momentos diversos de suas vidas. Ou seja, na prática, o indivíduo pode se sentir mulher em algum momento, homem em outro ou até "flutuar" por outras identidades de gênero, como agênero.

Transgênero

Este é um termo "guarda-chuva", segundo a GLAAD, organização LGBT americana que monitora como os membros da comunidade são tratados pela mídia. Ou seja, ele abrange todas as pessoas que não se identificam com o gênero que lhes foi designado ao nascer.
No entanto, entre a comunidade trans é possível encontrar ainda identidades como "transexual" e "travesti". Ambos os termos podem designar pessoas transgênero, mas nem toda pessoa transgênero se sente confortável ao ser tratada por estes nomes. É importante perguntar e esclarecer, caso haja necessidade.
Muito frequentemente, o termo transexual se refere a uma pessoa que passou pela transição de gênero de maneira física, através de cirurgia de confirmação de gênero para adequação dos genitais e de tratamento hormonal. Já a travesti seria aquela a quem foi atribuído o sexo masculino ao nascer, mas que se veste e se expressa com características femininas. Nem todos os transgêneros, no entanto, buscam este tipo de transição.

Crossdresser

A palavra designa uma forma de expressão de gênero. É um indivíduo crossdresser aquele que se veste com roupas associadas, socialmente, a um gênero diferente do seu. A prática não tem em nada a ver com a orientação sexual. Um homem crossdresser pode ser hétero, por exemplo. Ou seja, ele pode sentir desejo sexual por mulheres.

Drag Queen
Diferente do anterior, este termo caracteriza uma expressão artística. Normalmente, ele é associado aos homens que usam roupas do gênero feminino para uma performance. Esses artistas podem ser mulheres, ainda que seja menos comum. Também existem drag kings, mulheres que se vestem com roupas socialmente associadas à expressão de gênero masculina.

Não-binário
Termo associado a pessoas cuja identidade ou expressão de gênero não se limita às categorias "masculino" ou "feminino". Algumas pessoas não-binárias podem sentir que seu gênero está "em algum lugar entre homem e mulher", segundo a GLAAD, ou até podem definir seu gênero de maneira totalmente diferente — e distante — destes dois polos. Não é, necessariamente, sinônimo de transgênero ou transexual. Uma pessoa não-binária também pode se apresentar como "genderqueer" ou afirmar que tem identidade de gênero "não-conformista".

(fonte: Universa-UOL)

24 abril, 2019

A história do chimarrão


Os índios que habitavam o Sul da América do Sul foram os primeiros povos a terem feito uso da erva-mate. Eles sorviam a bebida no Tacuapi, uma espécie de bomba feita de taquara. O hábito e costume foi passado para os colonizadores, que incrementaram os utensílios com o passar dos anos (afrescalharam afú néãm).

De um começo clandestino e marginal, visto que já foi algo extremamente mal visto e até mesmo proibido no século XVI aqui no Brasil, o chimarrão conquistou até mesmo a classe mais rica. Então foram surgindo cuias e bombas de ouro e prata, até mesmo as questionadíssimas peças de porcelana.

A etimologia da palavra deriva do português Marron (clandestino) e do espanhol Cimarrón (bruto, chucro). Claramente significados dignos de colonizadores que se achavam superiores aos povos de origem da região.

No Brasil a bebida acabou sendo adotada pelos jesuítas como uma forma de socialização e também pois a proibição do mate acabou elevando o número de indígenas alcoólatras. Assim começou o renascimento desse costume e uma valorização forte na cultura do sul do país. Ligando o hábito a identidade do sulista.

22 abril, 2019

Curiosidades sobre algumas HQ's


As Tartarugas Ninja!

A primeira edição de Tartarugas Ninja foi escrita no quarto de Peter Laird, mas eles não queriam passar a imagem de um quadrinho amador. Justamente por isso, desenvolveram o selo Mirage Studio, brincando com o fato de que o tal "Studio" não existia e era apenas uma "Miragem".

Eles limparam suas contas bancárias e pediram um empréstimo ao tio de Kevin Eastman, totalizando US$ 1700. Com esse dinheiro, eles imprimiram 3 mil cópias da primeira edição e inscreveram a revista no Comic Buyers Guide.

A bizarra história chamou a atenção do público e, hoje, As Tartarugas Ninja são um fenômeno mundial.


Batman x Quarteto Fantástico!

Em 2002, a DC Comics decidiu lançar uma edição de comemoração no mês de aniversário dos 63 anos de Batman.

Para celebrar, a editora publicou Batman: The 10 Cent Adventure, uma história em quadrinhos custando apenas 10 centavos.

O sucesso foi tanto que mais de 20 mil cópias tiveram de ser reimpressas para atender a demanda dos compradores.

Em resposta, a Marvel decidiu lançar a edição #60 de Quarteto Fantástico por apenas 9 centavos. Além disso, a casa das ideias fez uma parceria com a Pizzaria Domino's e as revistas também eram distribuídas com os pedidos dos clientes.


Recorde de caridade!

Ainda em 2002, o artista John Romita Jr. decidiu desenhar sketches do Homem-Aranha e distribuir autógrafos na Times Square. Tudo isso para levantar fundos para uma instituição de caridade que presta apoio a pacientes com câncer cerebral.

Romita trabalhou durante 51 horas e 26 minutos seguidos! Arrecadando mais de 10 mil dólares e entrando para o Guinness World Book.


Karate Kid!

Entre 1976 e 2011, Ralph Macchio foi um dos editores da Marvel, mas não devemos confundi-lo com o ator Ralph George Macchio, responsável por dar vida a Daniel Larusso na franquia Karate Kid.

Mas era justamente isso que os fãs faziam!

Constantemente, o editor era questionado se foi ele quem interpretou o jovem aprendiz do Senhor Miyagi e tinha de explicar que era apenas uma coincidência.

Até o dia em que não aguentou mais e decidiu entrar na brincadeira. Ralph passou mais de 15 minutos no telefone conversando com alguns fãs e afirmou que já estava trabalhando em Karate Kid 5, prometendo grandes sequências de ação.

A brincadeira acabou parando nas páginas de alguns pequenos jornais.

Vale lembrar que a franquia Karate Kid só teve 3 filmes estrelados por Ralph Macchio.


Stan Lee!

Antes de entrar para o ramo das histórias em quadrinhos, Stan Lee serviu o exército.

Lá, além de ilustrador dos panfletos de alistamento, O Cara também foi auxiliar do Instrutor de Judo.

Outra característica peculiar de Stan Lee e que pouca gente conhece, é o fato dele ter escrito a maior parte de suas histórias em pé, no terraço de seu apartamento.

Ele dizia que escrever em pé fazia bem à sua postura. Além disso, aproveitava para pegar um bronzeado!


Leopardo Negro!

Em 1972, a Marvel alterou o nome do Pantera Negra para Leopardo Negro.

A Casa das Ideias não queria que o personagem fosse relacionado ao Partido dos Panteras Negras ou aos seus ideias e decidiu mudar o alter-ego de T'Challa para evitar confusões.

Logicamente, a mudança não foi bem recebida pelos fãs e, algumas edições mais tarde, o Pantera Negra "voltou à ativa".


O Incrível Hulk!

Dale Keown nasceu em uma família humilde, no oeste rural do Canadá.

Como a programação de TV canadense não era tão interessante, Keown contentava-se em assistir os canais americanos, completamente fora de sintonia e sem som.

Certo dia, Dale conseguiu sintonizar a série de TV do Incrível Hulk e ficou maravilhado com o personagem, mas dificilmente ele conseguia assistir ao canal.

Com uma grande imaginação, Dale começou a desenhar suas próprias aventuras do Hulk.

Ironicamente, Dale Keown tornou-se ilustrador de histórias em quadrinhos e foi o desenhista das revistas do Golias Esmeralda entre 1990 e 1992.


Superman: True Brit!

Superman: True Brit foi lançado em 2004 e mostra o que aconteceria caso o Homem de Aço tivesse crescido na Inglaterra em vez dos Estados Unidos.

Apesar da história remeter ao lendário Entre a Foice e o Martelo, True Brit foi criticado por estereotipar a população britânica, além de criar personagens extremamente caricatos como contrapartes a Lois Lane e Jimmy Olsen.

A crítica britânica afirmou que as piadas eram ultrapassadas e muita coisa não fazia sentido.

Talvez isso se deva ao fato da história ter sido escrita por John Cleese!

Cleese é um comediante, roteirista e co-fundador do grupo Monty Python, conhecido por seu estilo de comédia extravagante e peculiar.

Para os que não estão habituados com o grupo, a história pode, realmente, parecer estranha. Para os fãs de Monty Python, é uma leitura obrigatória.


A briga pela(o) Capitã(o) Marvel!

A jornada do Capitão Marvel começou quando a DC Comics processou a Fawcett Comics, alegando que Billy Batson era uma cópia do Homem de Aço.

A DC acabou comprando os direitos do personagem e introduzindo-o em seu próprio universo.

Acontece que a Marvel também já tinha um herói com o mesmo nome e também entrou na justiça pelos direitos de utilizar a marca. Como seu Capitão Marvel veio antes dos concorrentes, a Casa das Ideias ficou com o direito de utilizar o nome em seus títulos dos quadrinhos.

Assim, a DC Comics se viu obrigada a alterar o nome do alter-ego de Billy Batson para Shazam.

Acontece que, por mais que a Marvel tivesse o direito legal sobre o título, seu Capitão Marvel não era um personagem de sucesso entre o público.

Justamente por isso, diversos heróis vestiram o manto, até que ele encontrou sua "hospedeira" definitiva em Carol Danvers, que ganhará seu primeiro filme solo em 2018.


Lucifer!

Lucifer Morningstar é um dos personagens mais interessantes da Vertigo.

O Anjo Caído é um dos seres mais poderosos de todo o universo DC Comics e está acima de grandes entidades abstratas da editora.

Mas, por mais irônico que pareça, o personagem surgiu nas histórias de ninguém menos que Jimmy Olsen.

Na revista solo de Jimmy, o jovem fotógrafo tenta memorizar a receita do bolo Devil's Food e acaba pegando no sono. Ele tem um pesadelo e termina fazendo um trato com um homem que se chama Senhor L.

Mais tarde descobrimos que se tratava de Lucifer e o pacto entre ele e Jimmy levou a consequências desastrosas.

(fonte: Legião dos Heróis)